segunda-feira, 11 de julho de 2011

Mãe!
Que verdade linda
o nascer encerra:
eu nasci de ti
como a flor da terra!
Para a minha amiga Adriana que tem uma sementinha a crescer dentro!
Quando era pequenina, no dia da mãe, sempre dava um postalinho à minha mãe feito por mim, com um grande coração recortado em cartolina cor de rosa e este poema. Mais tarde, muito mais, descobri que é de Matilde Rosa Araújo. O primeiro poema que aprendi de cor e único, acho.

2 comentários:

Anadri disse...

Minha querida amiga, a sementinha está crescendo, crescendo, mexendo, mexendo aqui dentro de mim. Em poucos dias (ou horas, quem sabe?) carregarei em meus braços o meu bebê. A felicidade é tanta! A ansiedade é tanta! Obrigada pelo carinho, pelo poema, pela presença mesmo estando longe.
:) Beijos!

Anadri disse...

Minha querida amiga, a sementinha está crescendo, crescendo, mexendo, mexendo aqui dentro de mim. Em poucos dias (ou horas, quem sabe?) carregarei em meus braços o meu bebê. A felicidade é tanta! A ansiedade é tanta! Obrigada pelo carinho, pelo poema, pela presença mesmo estando longe.
:) Beijos!