sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Isto de ter filhos!

A Matilde já faz cada uma! Não sabíamos do telemóvel, procurámo-lo por todo o lado e nada de aparecer. Decidimos ligar do fixo para tentarmos chegar a ele pelo som. Ouvia-se o telemóvel tocar muito muito baixinho, parecia bem longe. O som vinha da cozinha ou da sala, não sabíamos bem. Parou de tocar, ai, que está a ficar sem bateria! Insistimos e o toque parecia vir da cozinha, mas onde? Depois de muito procurar olhamos na máquina de lavar, cheia de roupa para lavar e lá pelo meio, bem escondidinho, estava ele! Por sorte não ligamos a máquina antes!
Agora só quer imitar a mamã a cuidar do mano. Põe fraldas às bonecas, limpa-lhes o rabinho. Outro dia, ao querer imitar a mamã a trocar a fralda ao mano, decidiu também trocar a fralda à boneca. Foi com a fralda "suja" para a cozinha. Procurei a fralda por toda a parte para a usar depois nela, mas não a encontrei em lado nenhum. Onde é que poderia estar? No caixote do lixo, é claro!

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

O nosso filho chegou há pouco mais de um mês. Afinal decidimos-lhe chamar Ângelo. Martim é o nome da moda e quisemos fugir a isso. É mais um anjo que vem partilhar das nossas vidas e ajudar a tornar os nossos dias ainda mais lindos na sua companhia. Como todos, é um bebé muito especial. Nasceu sozinho, uma história linda, só nós e ele. Quando o parteiro chegou já estava deitado sobre o peito quentinho da sua mamã. Uns momentos especiais para nós, o seu nascimento no conforto do nosso lar, na companhia dos seus pais e Deus, claro, e todos os anjos e santos, porque criança que nasce assim vem bem abençoada. Para mim a maior benção: ser sua mãe.

terça-feira, 2 de outubro de 2012

À espera

Querido filho, a partir de agora já é seguro nasceres. Te esperamos com muito amor para dar.
Mamã, papá e Matilde

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Como um sonho, depois da Matilde chega o Tiago Martim, já falta pouco! A vida nos abençoa a cada instante.

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

O tempo é todo teu

O seu rosto dorme sereno
a respiração suave
o corpo quentinho de encontro ao meu
e cada dia é assim
e já não escreves porque em vez disso
reparas que o dentinho já está mais de fora
o cabelo cresceu e vem para a frente dos olhos
uma borbulha que antes não existia
a unhas que precisam ser cortadas
e as roupas que vão deixando de servir.
E agora este é o teu mundo
e bates palminhas.
E vais e dormes pesada
com um anjo por companhia.

segunda-feira, 11 de julho de 2011

Mãe!
Que verdade linda
o nascer encerra:
eu nasci de ti
como a flor da terra!
Para a minha amiga Adriana que tem uma sementinha a crescer dentro!
Quando era pequenina, no dia da mãe, sempre dava um postalinho à minha mãe feito por mim, com um grande coração recortado em cartolina cor de rosa e este poema. Mais tarde, muito mais, descobri que é de Matilde Rosa Araújo. O primeiro poema que aprendi de cor e único, acho.

quinta-feira, 3 de março de 2011